embed embed share link link comment comment
Embed deste vídeo close
Compartilhe este vídeo close
bookmark bookmark bookmark bookmark bookmark bookmark bookmark bookmark bookmark bookmark bookmark bookmark
embed teste
Nota deste vídeo embed
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)
Loading...
Tags para este vídeo tags
rate rate tags tags related related lights lights

Voluzi Vidal canta sucessos da bossa nova com Bitenka Bitencourt

Cantora retorna de vez à noite bauruense após longa temporada em outros palcos

* Publicação original assinada por Tisa Moraes para o Jornal da Cidade, com foto de Malavolta Jr.

Voluzi Vidal e Bitenka durante visita ao JC
Voz e luz. É assim que Voluzi Vidal, 60 anos, pode ser definida, como bem observou um ex-namorado músico, que escreveu para ela, certa vez, uma canção. Mas Voluzi também é sorriso, é cadência, é improviso – que poderão ser conferidos de perto hoje, a partir das 21h, no Templo Bar.

A apresentação contará com a presença de Bitenka Bittencourt, com quem a artista comemora uma parceria musical, entre idas e vindas, de 30 décadas.

O encontro será o primeiro show da cantora em terras bauruenses após ela se mudar para a cidade, há dois meses, motivada por uma história de superação.

Entre 1977 e 2004, Voluzi construiu sua trajetória na Capital paulista, mas, diante da iminência de morte trazida por dois acidentes vasculares cerebrais (AVCs), decidiu que era hora de desacelerar.

“Eu quase morri, fiquei em coma por 17 dias e tinha 2% de chances de sobreviver. Depois daquilo, entendi que precisava mudar algumas coisas. Então, fiquei um tempo em Torrinha, minha cidade natal, e depois fui para Sorocaba, até vir, agora, para Bauru”, conta.

OS CARUSO E VERISSIMO

Bossa-novista, como se autodefine, Voluzi atribui à música sua impressionante recuperação, que não deixou restar qualquer sequela perceptível daquele grande susto. Na época, ela cantava no Conjunto Nacional, integrado pelos irmãos Chico e Paulo Caruso e pelo escritor Luis Fernando Verissimo.

Com o grupo, permaneceu por 18 anos, inclusive fazendo apresentações na TV para todo o País, como o “Programa do Jô”, “Ensaio”, dirigido por anos na TV Cultura por Fernando Faro, e Amaury Jr.

Antes, havia participado de turnês com o trombonista Bocato e Banda Bloco.

“Nesta época, nos apresentamos em diversos festivais. Em um deles, em São Bernardo do Campo, ganhamos quatro prêmios. Entre os jurados estavam Ana de Hollanda (irmã de Chico Buarque) e Arrigo Barnabé, todos muito jovens. E nossa música era uma novidade também”, relembra.

A LINHAGEM MUSICAL

Arquivo/JC Imagem

Banda Bandalha no final dos anos 80 na casa noturna Scaramouche: Voluzi, Ramon, Bitenka e Júlio Furtado

Ainda na adolescência, Voluzi morou por dois anos com a família em Bauru, quando começou a dar os primeiros passos na música.

Filha do maestro Juarez Vidal, ela é irmã do também maestro George Vidal, da Escola Clave de Sol.

“A primeira vez em que cantei profissionalmente, por assim dizer, foi em Bauru, com meu irmão. Eu tinha 17 anos. O George também estava começando. Foi uma apresentação na escola Christino Cabral, onde eu estudava”, conta.

Na década de 1980, em sua segunda passagem por Bauru, com Bitenka e outros músicos Voluzi formou a Banda Bandalha, em que permaneceu por dois anos, durante uma pausa nos trabalhos em São Paulo.

“Era uma época em que a música fervilhava”, diz a artista, que promete trazer toda a ginga e ebulição de uma época tão profícua da bossa nova para a noite de hoje.

AFINADA AFINIDADE NA NUBLADA TARDE

João Pedro Feza

Era para ser “só” uma entrevista. Mas Bitenka atendeu ao pedido do JC e foi “buscar a viola” no carro. Resultado: a segunda-feira à tarde, fria e nublada, ganhou outra conotação. Ganhou algumas ótimas canções.

Tanto na sala de entrevista quanto no Espaço Cívico Café com Política, Voluzi soltou a voz acompanhada pelo violão esperto de Bitenka. Tudo tirado na hora, na base do “começa que eu te acompanho”.

Quem viu e ouviu rapidamente percebeu ali uma sintonia que o tempo traquinas e as tormentas da vida não apagam. Entre uma história e outra, dá-lhe música de João Donato, outra de João Bosco, um clássico da bossa nova…

A prévia espontânea do show de hoje foi, digamos assim, além do saudosismo. Provou, sem nada querer provar, que música boa não tem hora para acontecer. Se o talento está disponível, o momento vira um brinde à oportunidade: brinde com café, água, chá e afinidades.

SERVIÇO

A apresentação de Voluzi Vidal (retorno aos palcos de Bauru) e Bitenka Bittencourt (voz e violão) começa a partir das 21h, no Templo Bar, que fica na rua Benjamin Constant, 1-34, Centro. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (14) 3223-3493.

botao-voltar

Faça um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *